Patrícia Schafer diz a que veio

Inquieta desde pequena, a fotógrafa Patrícia Schafer, 23 anos, sempre foi esperta e ousada. Em 2020 mostrou a que veio ao mundo. Enfrentou desafios, o maior deles foi perder o pai, o advogado e músico Dieter Schafer, que morreu pouco antes dela formar-se como jornalista.


Sim, 2020 foi um ano avassalador para muitos. No mesmo período, em meio às questões pessoais, Patrícia concluiu o fotolivro “Os Informais”, em processo de publicação. O material traz fotos e textos acerca de profissionais autônomos e desempregados, suas angústias, incertezas e alegrias no dia a dia de um ano de pandemia de coronavírus.

Em parceria com a jornalista Gisele Bonaroski, Patrícia também assina a revisão do livro infantil “A menina que não tinha boca”, das autoras Áurea Fortes e Aline Queiroz (ilustrações), publicado no final de 2020.

Garota engajada, em novembro do ano passado, Patrícia ainda encontrou espaço na agenda para ser voluntária da Letraria, fazendo um ensaio fotográfico com a professora de chinês Sisi, do Canal do Youtube Pula Muralha. A sessão de fotos, para o calendário 2021 da Letraria, foi acolhedora. Duas jovens, a fotógrafa e a youtuber.

Como jornalista, Patrícia é a profissional que faz perguntas e entrevista, porque tem interesse na história do fotografado. No caso da Sisi, Paty já era seguidora e fã mesmo. E a própria Sisi, como costuma ser reconhecida, é “a chinesa mais amada do Brasil”, por conta de sua meiguice, inteligência e educação. O resultado não poderia ser melhor, e você confere nas fotos que seguem.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Já que você está aqui

Veja também

Vem aí a segunda ação da Letraria

No próximo sábado, dia 30 de outubro, será realizada a segunda ação cultural da Letraria. Em parceira com a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, serão distribuídos 300 livros de temas diversos, como romance, poesia, infantis e infanto-juvenis, na área externa da estação CPTM Guaianazes. Este evento marca a retomada das ações presenciais em

Hobbies do fim do mundo

Texto: Manoela Victoria / Ilustração: Rapha Kobayashi Nesta quarenta uma coisa que ficou clara é como a criatividade é inata no brasileiro. Nunca foi segredo a nossa criatividade e a capacidade do nosso “se vira”, essa habilidade sempre foi tão corrente em nós como nossos rios. Sempre, em épocas difíceis, ela é capaz de dar as

Resenha: O caçador de pipas, de Khaled Hosseini

Por Camyla Rodrigues Amir e Hassan são dois garotos afegãos, amigos desde os primeiros passos. Os dois perderam suas mães logo após o nascimento e tiveram a mesma ama de leite, o que para eles é considerado um laço forte. Só que Amir é filho do patrão, e Hassan o filho do criado. Um pashtun

Afeto é uma ilustração em aquarela assinada por Aline Queiroz

A potência dos afetos

Eliana Santos Moura Quando utilizamos a palavra afeto, normalmente fazemos em contextos relacionados aos sentimentos de carinho, amizade ou amor.  Raramente pensamos no afeto enquanto aquilo que nos afeta, provocando em nós uma transformação. Pensar em afeto enquanto elemento que impulsiona transformações é a reflexão que proponho neste texto, no qual existem mais perguntas do

Rolar para cima