Leitura e reserva cognitiva

Eliana Santos Moura

Quando fui convidada para fazer parte do grupo de colunistas da Letraria, senti a enorme responsabilidade da tarefa solicitada.  

Elegi, como objetivo, levar aos leitores e colaboradores desse coletivo fantástico, informação de qualidade, contribuindo para o universo espetacular e surpreendente que é a Leitura, e principalmente, estimular a busca de mais informações e conhecimentos, visto que este espaço não comporta textos mais complexos.

Para o texto de estreia, resolvi compartilhar com vocês um pouco daquilo que estudo e que venho me aprofundando nos últimos meses, o universo desafiador e potente que é o envelhecimento.

Todo aquele que lê, sabe o quanto essa atividade modifica o seu modo de ver o mundo, o que muitos não sabem, é que o hábito da leitura contribui para a construção de algo que é de extrema importância para a nossa cognição, na medida em que estimula regiões do nosso cérebro, regiões capazes de compensar a degeneração que ocorre pelo passar dos anos a medida em que envelhecemos, ou por doenças neurológicas. Trata-se da RESERVA COGNITIVA, que atualmente é amplamente investigada pela ciência.  

Através da leitura, imaginamos situações, construímos mentalmente os personagens que estão no contexto das histórias lidas. Somos capazes até mesmo de imaginar cheiros e gostos. Costumo dizer que enquanto leitores, somos chamados a participar ativamente, criando mentalmente, cenários e figurinos das histórias contadas por mentes brilhantes que conseguem expressar por meio da escrita, sentimentos e emoções que nos fazem viajar para universos paralelos.  

Por esse motivo, o hábito da leitura, juntamente com outros fatores que adquirimos ao longo da vida, tais como: educação formal, ocupação profissional desafiante, exercício físico regular, atividade social e de lazer, aprendizagem de outro idioma, aprendizagem de tocar um instrumento musical, dentre outros, pode retardar ou prevenir o desenvolvimento de várias doenças neurológicas.

Incluir a leitura na rotina dos nossos dias, além de ser algo prazeroso, pode ser um fator protetivo e eficaz ao envelhecimento saudável, e o que é melhor, depende somente de nós mesmos. Nesse sentido a Letraria desempenha papel fundamental na estimulação desse hábito tão precioso que é a leitura.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pinterest
Pinterest

1 comentário em “Leitura e reserva cognitiva”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Já que você está aqui

Veja também

Carta aberta ao Medo

Por Manoela Victoria A ti, Medo,Nós nos conhecemos no momento que me tiraram do útero de minha mãe – não sei se eram as luzes ou o frio, ou o não se saber pertencer-se a dois ou a um só o que mais me apavorava, mas sei que, em minha insignificância, fiz a única coisa

Vem aí a segunda ação da Letraria

No próximo sábado, dia 30 de outubro, será realizada a segunda ação cultural da Letraria. Em parceira com a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, serão distribuídos 300 livros de temas diversos, como romance, poesia, infantis e infanto-juvenis, na área externa da estação CPTM Guaianazes. Este evento marca a retomada das ações presenciais em

Hobbies do fim do mundo

Texto: Manoela Victoria / Ilustração: Rapha Kobayashi Nesta quarenta uma coisa que ficou clara é como a criatividade é inata no brasileiro. Nunca foi segredo a nossa criatividade e a capacidade do nosso “se vira”, essa habilidade sempre foi tão corrente em nós como nossos rios. Sempre, em épocas difíceis, ela é capaz de dar as

Resenha: O caçador de pipas, de Khaled Hosseini

Por Camyla Rodrigues Amir e Hassan são dois garotos afegãos, amigos desde os primeiros passos. Os dois perderam suas mães logo após o nascimento e tiveram a mesma ama de leite, o que para eles é considerado um laço forte. Só que Amir é filho do patrão, e Hassan o filho do criado. Um pashtun

Rolar para cima