Um defeito de cor, Ana Maria Gonçalves

Um defeito de cor, da autora Ana Maria Gonçalves, conta a história de Kehinde, desde sua captura na África, até sua viagem de volta ao Brasil na tentativa de encontrar um filho perdido. Aos 7 anos ela, a irmã e a avó foram parar em um navio que trazia pessoas para serem escravizadas no Brasil. Ela faz um relato muito detalhado sobre a forma desumana em que eram transportados, sem ao menos saber qual seria o destino dado a suas vidas. Já na Bahia, ela vai parar numa fazenda para servir de companhia para a filha de um senhor de engenho, e depois acaba sendo mandada para trabalhar no engenho de cana de açúcar e em outros trabalhos duros, e mais uma vez temos mais detalhes de como os negros eram tratados barbaramente pelos seus donos, que nem ao menos os viam como seres humanos.

A história se passa durante o século XIX, o que faz a narrativa passar por vários momentos históricos, como a independência do Brasil, a revolta dos Malês e a Sabinada. Também podemos conhecer a origem das religiões de matriz africana, como elas foram trazidas e adaptadas para serem praticadas aqui, onde se misturaram com elementos da religião cristã, que era imposta aos negros ao chegarem no Brasil. As descrições sobre os lugares da Bahia que são cenário dos acontecimentos são muito ricas. No decorrer de sua trajetória também podemos conhecer um pouco do Rio de Janeiro em seus tempos de corte, e São Paulo que já se expandia bastante nesse período.

Já adulta ela consegue trabalhar como escrava de ganho, e graças a leitura e escrita, consegue ter mais habilidade e ideias para ganhar dinheiro e comprar sua liberdade com a carta de alforria. Ela se torna uma comerciante próspera, ajudando várias outras pessoas a comprarem a liberdade e dando emprego, mas vários acontecimentos que se sucedem levam-na a perder muita coisa. O pai branco de seu filho o vende para mercadores de escravos, e aí começa mais uma saga dela, em busca da criança perdida. 

Ela volta para a África, tem mais filhos, mas nunca consegue deixar de tentar encontrar o filho que ficou no Brasil. Já idosa e cega, faz nova viagem ao Brasil na esperança de encontrá-lo para se despedir. É durante essa última travessia que ela relata sua vida para uma amiga transcrever em carta, um pedido de desculpas para o filho.

Ana Maria Gonçalves faz uma introdução muito interessante sobre como encontrou os manuscritos perdidos que continham a história que deu origem ao livro Um defeito de cor. Trata-se da possível história de vida de Luiza Mahin, mãe do advogado abolicionista e poeta Luiz Gama.

Ana Maria Gonçalves na abertura do Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra (Valter Campanato/Agência Brasil)

Informações sobre o livro

 

Título: Um defeito de cor
Autora: Ana Maria Gonçalves
Editora: Record
Páginas: 952
Preço médio: R$ 60,00

 

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
Email
Pinterest

1 comentário em “Um defeito de cor, Ana Maria Gonçalves”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Já que você está aqui

Veja também

Carta aberta ao Medo

Por Manoela Victoria A ti, Medo,Nós nos conhecemos no momento que me tiraram do útero de minha mãe – não sei se eram as luzes ou o frio, ou o não se saber pertencer-se a dois ou a um só o que mais me apavorava, mas sei que, em minha insignificância, fiz a única coisa

Vem aí a segunda ação da Letraria

No próximo sábado, dia 30 de outubro, será realizada a segunda ação cultural da Letraria. Em parceira com a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, serão distribuídos 300 livros de temas diversos, como romance, poesia, infantis e infanto-juvenis, na área externa da estação CPTM Guaianazes. Este evento marca a retomada das ações presenciais em

Hobbies do fim do mundo

Texto: Manoela Victoria / Ilustração: Rapha Kobayashi Nesta quarenta uma coisa que ficou clara é como a criatividade é inata no brasileiro. Nunca foi segredo a nossa criatividade e a capacidade do nosso “se vira”, essa habilidade sempre foi tão corrente em nós como nossos rios. Sempre, em épocas difíceis, ela é capaz de dar as

Resenha: O caçador de pipas, de Khaled Hosseini

Por Camyla Rodrigues Amir e Hassan são dois garotos afegãos, amigos desde os primeiros passos. Os dois perderam suas mães logo após o nascimento e tiveram a mesma ama de leite, o que para eles é considerado um laço forte. Só que Amir é filho do patrão, e Hassan o filho do criado. Um pashtun

Rolar para cima