Hobbies do fim do mundo

Texto: Manoela Victoria / Ilustração: Rapha Kobayashi

Nesta quarenta uma coisa que ficou clara é como a criatividade é inata no brasileiro. Nunca foi segredo a nossa criatividade e a capacidade do nosso “se vira”, essa habilidade sempre foi tão corrente em nós como nossos rios. Sempre, em épocas difíceis, ela é capaz de dar as caras e surpreender, e nessa quarentena não foi diferente. Apareceram tantas lojinhas virtuais, ebooks, cursos gratuitos e free lancer que comprovou-se mais uma vez que a necessidade é a mãe da criatividade.

Porém, reconhecendo meu privilégio, vejo também que desde o mais pobre ao mais abastado há a necessidade em comum: fazer coisas que ama.
É claro que, no sistema capitalista atual, a gente acaba banalizando essa história de fazer o que se ama e resumindo tudo a pagar as contas no final do mês, e ter uma geladeira abastecida porque, no final, amor não enche a barriga, não é mesmo? Ainda mais no Brasil, um país que vem se tornando cada vez mais fechado pro amor de qualquer jeito.

Mas ainda que isso tudo sejam observações, tem-se visto um número grande de pessoas investindo em seus sonhos, em um lugar onde a média de mortes – só hoje quando escrevo este texto – está em 2.027 pessoas por dia, se vê o imediatismo das pessoas tentarem coisas intensas, de se arriscarem. A geração como a minha, que é tão criticada pelos mais velhos, se vê desesperada para viver o melhor que pode, para não haver arrependimentos.

E em meio a tanta ansiedade há a procrastinação, em meio aos cursos onlines e home office. Tentar ser produtivo ao máximo tem seu preço, hobbies que antes eram apenas pequenas doses de alegria viram empregos, e tudo vira uma grande bola de procrastinação, porque afinal nada tem ido em frente e, bem na nossa vez, acontece uma superpandemia dessa?

A coragem de fazer e se dedicar a algo que se ama é necessária, linda e audaciosa. Em tempos de fim de mundo, é importante pegar o monstrinho da ansiedade medo e sobrecarga e tratá-lo com todas as armas que tivermos. Por exemplo, assistindo a filmes, séries, recorrendo a joguinhos, cursos, crochê, dança e a uma das minhas armas favoritas, a escrita. Porque afinal se, de acordo com os religiosos, é o fim do mundo, então vamos precisar de hobbies.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Já que você está aqui

Veja também

Carta aberta ao Medo

Por Manoela Victoria A ti, Medo,Nós nos conhecemos no momento que me tiraram do útero de minha mãe – não sei se eram as luzes ou o frio, ou o não se saber pertencer-se a dois ou a um só o que mais me apavorava, mas sei que, em minha insignificância, fiz a única coisa

Vem aí a segunda ação da Letraria

No próximo sábado, dia 30 de outubro, será realizada a segunda ação cultural da Letraria. Em parceira com a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, serão distribuídos 300 livros de temas diversos, como romance, poesia, infantis e infanto-juvenis, na área externa da estação CPTM Guaianazes. Este evento marca a retomada das ações presenciais em

Hobbies do fim do mundo

Texto: Manoela Victoria / Ilustração: Rapha Kobayashi Nesta quarenta uma coisa que ficou clara é como a criatividade é inata no brasileiro. Nunca foi segredo a nossa criatividade e a capacidade do nosso “se vira”, essa habilidade sempre foi tão corrente em nós como nossos rios. Sempre, em épocas difíceis, ela é capaz de dar as

Resenha: O caçador de pipas, de Khaled Hosseini

Por Camyla Rodrigues Amir e Hassan são dois garotos afegãos, amigos desde os primeiros passos. Os dois perderam suas mães logo após o nascimento e tiveram a mesma ama de leite, o que para eles é considerado um laço forte. Só que Amir é filho do patrão, e Hassan o filho do criado. Um pashtun

Rolar para cima