Hobbies do fim do mundo

Texto: Manoela Victoria / Ilustração: Rapha Kobayashi

Nesta quarenta uma coisa que ficou clara é como a criatividade é inata no brasileiro. Nunca foi segredo a nossa criatividade e a capacidade do nosso “se vira”, essa habilidade sempre foi tão corrente em nós como nossos rios. Sempre, em épocas difíceis, ela é capaz de dar as caras e surpreender, e nessa quarentena não foi diferente. Apareceram tantas lojinhas virtuais, ebooks, cursos gratuitos e free lancer que comprovou-se mais uma vez que a necessidade é a mãe da criatividade.

Porém, reconhecendo meu privilégio, vejo também que desde o mais pobre ao mais abastado há a necessidade em comum: fazer coisas que ama.
É claro que, no sistema capitalista atual, a gente acaba banalizando essa história de fazer o que se ama e resumindo tudo a pagar as contas no final do mês, e ter uma geladeira abastecida porque, no final, amor não enche a barriga, não é mesmo? Ainda mais no Brasil, um país que vem se tornando cada vez mais fechado pro amor de qualquer jeito.

Mas ainda que isso tudo sejam observações, tem-se visto um número grande de pessoas investindo em seus sonhos, em um lugar onde a média de mortes – só hoje quando escrevo este texto – está em 2.027 pessoas por dia, se vê o imediatismo das pessoas tentarem coisas intensas, de se arriscarem. A geração como a minha, que é tão criticada pelos mais velhos, se vê desesperada para viver o melhor que pode, para não haver arrependimentos.

E em meio a tanta ansiedade há a procrastinação, em meio aos cursos onlines e home office. Tentar ser produtivo ao máximo tem seu preço, hobbies que antes eram apenas pequenas doses de alegria viram empregos, e tudo vira uma grande bola de procrastinação, porque afinal nada tem ido em frente e, bem na nossa vez, acontece uma superpandemia dessa?

A coragem de fazer e se dedicar a algo que se ama é necessária, linda e audaciosa. Em tempos de fim de mundo, é importante pegar o monstrinho da ansiedade medo e sobrecarga e tratá-lo com todas as armas que tivermos. Por exemplo, assistindo a filmes, séries, recorrendo a joguinhos, cursos, crochê, dança e a uma das minhas armas favoritas, a escrita. Porque afinal se, de acordo com os religiosos, é o fim do mundo, então vamos precisar de hobbies.

  • Manoela Victoria P.C.S.S. é uma jovem de muitos talentos. Manu é estudante, professora de Inglês, tradutora, coautora do livro infantil " As Histórias do Papai" e mãe da Joana, de oito meses. Ela se entrega à leitura e é apaixonada por bichos. Adora a natureza e quer encher o apartamento onde mora com plantas charmosas como as "suculentas".

  • Rapha Kobayashi gosta de desenhar e capricha nos letterings. É estudante, passou parte da infância no Japão e, por toda essa experiência vivida, adora mangás e animes. Atualmente investe seu tempo nos estudos para ingressar na área da saúde - um sonho que caminha para tornar-se realidade em breve!

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pinterest
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Já que você está aqui

Veja também

Hobbies do fim do mundo

Texto: Manoela Victoria / Ilustração: Rapha Kobayashi Nesta quarenta uma coisa que ficou clara é como a criatividade é inata no brasileiro. Nunca foi segredo a nossa criatividade e a capacidade do nosso “se vira”, essa habilidade sempre foi tão corrente em nós como nossos rios. Sempre, em épocas difíceis, ela é capaz de dar as

Resenha: O caçador de pipas, de Khaled Hosseini

Por Camyla Rodrigues Amir e Hassan são dois garotos afegãos, amigos desde os primeiros passos. Os dois perderam suas mães logo após o nascimento e tiveram a mesma ama de leite, o que para eles é considerado um laço forte. Só que Amir é filho do patrão, e Hassan o filho do criado. Um pashtun

Afeto é uma ilustração em aquarela assinada por Aline Queiroz

A potência dos afetos

Eliana Santos Moura Quando utilizamos a palavra afeto, normalmente fazemos em contextos relacionados aos sentimentos de carinho, amizade ou amor.  Raramente pensamos no afeto enquanto aquilo que nos afeta, provocando em nós uma transformação. Pensar em afeto enquanto elemento que impulsiona transformações é a reflexão que proponho neste texto, no qual existem mais perguntas do

Vem com a gente ajudar a Letraria

Para melhorar o desenvolvimento de projetos sociais e culturais, a Letraria organizou uma arrecadação financeira online. A ideia é que todos possam colaborar: doando, divulgando e compartilhando as redes sociais @letraria.cultural (Instagram e Facebook) em suas próprias redes. O investimento de R$ 2.000,00 será utilizado na produção de material de divulgação (pagamento de impressão de

Rolar para cima